26/05/2009

Mea culpa ........

Ao longo deste meu período de "férias" forçadas já fui convocado para duas juntas médicas que concluíram ao fim de uns "longos" cinco minutos que cá o je não estava a ludibriar o erário publico e que por esse facto continuaria a auferir os sessenta e cinco por cento do seu pré (uma fortuna ).

Ontem fui fiscalizado.

Hoje fui convocado pela terceira vez .


A maquina está bem oleada pena é que essa lubrificação não seja também noutros sectores



Segue-se um período de azafama ,correria para o hospital e centro de saúde para pedir os relatórios médicos.

ALTO LÁ .... CORRERIA ???????. ENTÃO NÃO ESTÁ TÃO DOENTE ASSIM!!!!!!!

Peço desculpa pelo termo utilizado ,vou mas vou devagar pois ainda não estou para correrias......

BOM BOM ASSIM JÁ ESTÁ MELHOR......

Mea culpa

É verdade que tenho estado sem produzir vai para um ano

Mea culpa

É verdade que continuo a consumir vai para um ano

Mea culpa

É verdade que fiz um rombo nas contas da Segurança social e no Serviço Nacional de Saúde vai para um ano.

Mea culpa
É verdade que no fundo no fundo sempre acreditei...

Hoje sinto-me um criminoso que está em prisao domiciliaria e que neste caso vai ter que reunir (pedir) as provas da sua inocencia....

Podia ser pior lá isso podia........

Fiquem bem

3 comentários:

fatimamedeiros disse...

O país está mal, alguns serviços funcionam francamente mal e outros francamente bem. Porque é que ninguém, nem mesmo os mais esclarecidos conseguem reconhecer uma virtude nos serviços públicos?
Eu sou funcionária pública há vinte e muitos anos e também trabalhei no sector privado, sinto-me constantemente insultada na minha honestidade, capacidade e empenho que sempre pus em todos os empregos que tive até hoje.Sou utilizadora dos mesmos serviços que os não funcionários públicos, tenho as mesmas queixas quando sou mal atendida, quer no sector público, quer no sector privado e sinto-me bem quando o serviço prestado é de qualidade.
Em tudo na vida, há maçãs podres e boas maçãs!A Administração Pública está cheia de grandes profissionais!

Brancamar disse...

Ora cá está uma segunda funcionária para dizer amén com a Fátima. Mas percebo muito bem o Jorge, porque realmente as fiscalizações quando funcionam bem, a maior parte das vezes não é para os que dão verdadeiros e grandes rombos ao estado ou se é acontece muito, mas muito raramente.
De qualquer forma temos todos que trabalhar para a mudança, até que ela se faça efectivamente, porque embora atiremos sempre a culpa para o Estado,muitas vezes pactuamos com tudo achando muito bem que o vizinho do lado não pague os impostos ou que nós próprios o não façamos (sabe sempre bem dizer que sim ao artista que nos faz um orçamento mais baixo sem factura, etc, etc.) e no fim quem paga tudo isto são sempre os mais inocentes, quando o sistema se torna demasiado pontual, como no caso do Jorge. Mas, é bom que se diga que me parece que as baixas e as aposentações por doença andam mais rigorosas que o controle ao desemprego e isso é bom.
Quanto ao desemprego parece-me que a apresentação periódica na junta de freguesia não surte tanto efeito quanto surtiria uma fiscalização no terreno, porquanto é sabido que muitos que se apresentam lá, trabalham em Espanha e noutros biscates e são dispensados para fazerem uma prova que não é prova nenhuma.
Isto não invalida um enorme respeito pelo avassalador número de efectivos desempregados.
Bem, já não me apetece falar mais de coisas tristes hoje, bastam os noticiários e alguns dos seus exageros e a exploração das desgraças até à exaustão.
O que importa é que tudo esteja a correr o melhor possível Jorge e que essas forças se recuperem, porque no dia em que não tiver que ser fiscalizado ou que não precise de fazer Juntas médicas,será para si concerteza um óptimo sinal.
Claro que o ideal seria que o sistema acreditasse no médico de família que devia ter e normalmente tem todos os seus elementos e que deveria ser suficientemente autónomo e credível para que só ele bastasse para lhe dar alta quando tudo estivesse bem, mas...fico-me pelo mas...porque temos uma pesada máquina de burocracias e maus hábitos, que demorará muitos anos a desmontar.
E, deixo-lhe beijinhos, votos de muita calma e muita saúde.
Beijinhos.
Branca

fatimamedeiros disse...

Não posso estar mais de acordo com a Branca em tudo, mas absolutamente tudo o que disse.